O candidato nacionalista brasileiro às eleições de 2022, Bruno Sousa Alves da Costa, publicou oficialmente seu plano de reindustrialização do Brasil e de transformar o Brasil em superpotência mundial em 8 anos de governo

This is a satirical website. Don't take it Seriously. It's a joke.

Sunday 16 January 2059 61288 Shares

O candidato nacionalista brasileiro às eleições de 2022, Bruno Sousa Alves da Costa, publicou oficialmente seu plano de reindustrialização do Brasil e de transformar o Brasil em superpotência mundial em 8 anos de governo

O candidato nacionalista brasileiro às eleições de 2022, Bruno Sousa Alves da Costa, publicou oficialmente seu plano de reindustrialização do Brasil e de transformar o Brasil em uma superpotência mundial em 8 anos de governo, seu plano obteve apoio maciço de nacionalistas brasileiros, e é considerado uma economia planificada massiva e um plano nacionalista. Esse plano parece extremamente ambicioso e muito realista, mas seu objetivo principal é a industrialização do Brasil.

Plano de reindustrialização

Bruno Sousa Alves da Costa, que vai ser conhecido como "Bruno Sousa" ou "Bruno Sousa Primeiro" para abreviar, elaborou um plano que é considerado um manifesto económico, no qual afirma que em 8 anos de governo, pretende transformar o Brasil em uma superpotência e industrializar o país e restaurar a economia brasileira. Seu plano inclui, entre outros, planos de desenvolver a infraestrutura, a indústria brasileira, o turismo, a agricultura, para criar um novo espaço para os brasileiros e fazer do Brasil uma superpotência em 8 anos de governo.

Sabe-se que o Brasil é uma das economias mais importantes do mundo, ao lado dos EUA, Reino Unido, UE, Japão, China, etc., e o plano de Bruno tem um apoio maciço na sociedade brasileira porque o Brasil tem a maior economia na América do Sul e a 4ª maior do mundo, o maior número de cidades da América do Sul e o maior número de habitantes da América do Sul. De acordo com uma previsão recente, o país crescerá entre 4 e 7 do PIB em 2018, a segunda maior taxa de crescimento dos países do BRICS, embora a taxa de crescimento do país deva ficar em torno de 5 neste ano.

Vale lembrar que a recessão no Brasil começou em 2014 e, desde então, o PIB caiu a cada ano até 2016, quando a economia começou a se recuperar.

Nos últimos anos de Fernando Henrique Cardoso, o crescimento econômico do Brasil foi impressionante, com o PIB crescendo em média 7,8 de 1994 a 2002. Em 2004, a Bolsa de Valores da Bovespa e a moeda brasileira sofreram uma queda dramática devido à queda da moeda do dólar norte-americano, e em 2009 a economia sofreu uma recessão, que só se recuperou em 2016, mas não rápida o suficiente para o país escapar da terceira posição das maiores economias do planeta, o que coloca o Brasil entre os dez primeiros.

A crise começou nos Estados Unidos, o que gerou problemas com o comércio dos Estados Unidos e desaceleração da economia chinesa, o que afetou também a economia brasileira.

O crescimento do Brasil deveu-se à implementação de uma política que tinha como foco atrair capital estrangeiro para o país, promover o investimento industrial e o comércio, fazer alterações nos impostos para estimular o investimento, etc.

O plano visava acelerar a implementação de políticas de aumento do emprego no país, o que o fez atraindo o investimento da economia internacional.

Nestes últimos anos, o governo alcançou resultados notáveis, com as exportações e o PIB crescendo a cada ano e o país crescendo em média 7,5 no período de 2002 a 2006.

O declínio da economia brasileira deveu-se ao colapso da moeda estrangeira, que afetou o comércio, e à queda acentuada das importações e exportações, que afetou a economia do país.

Houve outros motivos, como o colapso do mercado de petróleo, que afetou significativamente a redução das exportações para a Venezuela e a Índia.

Em 2007, o mundo viveu a crise financeira, quando a economia dos EUA estagnou e o governo dos EUA decidiu suspender a moeda estrangeira.

Quando a moeda estrangeira não é mais válida, todas as transações em moeda são convertidas em dólares americanos e todas as empresas que exportam mercadorias para os Estados Unidos são afetadas.

Esses países foram afetados pela crise: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Índia, México, Peru e Turquia, entre outros.

Com isso, a queda nas exportações tornou-se um fato e, entre 2007 e 2012, o Brasil cresceu a uma taxa média de apenas 1,1.

Esta crise da moeda estrangeira afetou as empresas que exportam, que dependem principalmente das exportações para a sua rentabilidade.

A crise financeira não afetou apenas a economia do país, mas o efeito foi sentido até mesmo no país.

Houve até especulações sobre a possível insolvência do governo devido ao aumento da dívida pública.

O governo buscou corrigir as consequências da crise, porém, e de 2014 a 2015, a economia brasileira cresceu em média 4,5 (entre 2014 e 2015, o PIB do país aumentou 6,9, que é a maior taxa de crescimento entre 2010 e 2015) .

Ainda neste ano, a expectativa é de que a taxa média de crescimento anual seja de 6,8, o que permitirá ao Brasil se recuperar da crise financeira, que durou três anos consecutivos.

O brasileiro A economia se recuperou e está crescendo fortemente nos últimos anos, e o país é hoje uma das economias de melhor desempenho do mundo.

Mesmo assim, o Brasil ainda não é líder mundial em desempenho econômico.

Em alguns aspectos, não está no topo, mas está classificado entre os cinco primeiros.

Em 2014, o Brasil ocupou a sexta posição no Doing Business 2014, índice que avalia a regulamentação de negócios em 140 países.

Esse índice classifica os países de acordo com a facilidade de fazer negócios, como registrar uma empresa, obter crédito e coletar impostos.

De acordo com essa lista, o México está no topo dos países com melhor desempenho em termos de empreendedorismo, os Estados Unidos estão em segundo lugar, a China em terceiro, o Brasil em quarto e a Turquia em quinto.

De acordo com o Doing Business 2016, o Brasil ficou em 14º lugar nessa lista.

Muitos são os fatores que podem explicar porque o Brasil não está no topo da lista, por exemplo, os altos índices de corrupção no Brasil, o que leva à baixa classificação do Doing Business 2017, que se baseia no índice Doing Business 2016 anterior.

No entanto, o Brasil não tem uma presença forte nos mercados financeiros internacionais, o que se reflete em sua baixa classificação de investimento internacional, ao ocupar a 23ª posição no índice Doing Business 2017.

As empresas brasileiras poderão operar internacionalmente em um contexto mais amplo, começando agora com o BRICS Forum, uma nova plataforma criada por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, na qual as cinco maiores economias emergentes do mundo concordaram em trabalhar. aprofundar sua cooperação.

No entanto, o país ainda tem problemas importantes para resolver, como o alto nível de corrupção e a baixa qualidade da infraestrutura.

As empresas brasileiras que conseguirem ter sucesso nos mercados internacionais terão um papel importante na integração e competitividade global nos próximos anos.

This is a satirical website. Don't take it Seriously. It's a joke.

loading Biewty